TODO não é para jacu

David Allen: Getting Things Done, GTDO Cardoso diz em um post que TODO é pra jacu. Ele comenta sobre a dificuldade que é fazer todas as tarefas que há para fazer no dia, e como priorizar.

Ele reclama e cita diversas estratégias: apenas tarefas pequenas, fazer primeiro as complicadas, fazer as mais urgentes, atribuir prioridades, fazer aleatoriamente e empurrar com a barriga. Segundo ele, nenhuma funciona, e ele vai tentar dividir o dia em pedaços e fazer uma tarefa em cada pedaço.

Ele fala que já leu os livros de auto-ajuda para empresários, que não resolveram muita coisa. Mas na verdade, o problema é que ele não leu o livro de auto-ajuda certo. Ele foi escrito por David Allen e se chama Getting Things Done em inglês e Produtividade Pessoal ou A Arte de Fazer Acontecer em português. Ele ensina uma técnica de organização para produtividade que é realmente muito boa e eficiente. Esse livro mudou a vida de mais de uma pessoa que eu conheço, eu incluso.

O melhor é mesmo ler o livro para ter uma idéia, mas os princípios funcionam até para alguém que é naturalmente desorganizado como eu e como metade das pessoas mais inteligentes que eu conheço:

  • Trabalhe com caixas de entrada;
  • Processe os itens dessas caixas de entrada constantemente, tomando decisões claras sobre: fazer uma tarefa imediatamente, colocar na lista de tarefas, arquivar, deixar para um dia futuro, delegar ou jogar no lixo;
  • Tenha um arquivo de referência à mão, bem organizado mas fácil de fazer e manter;
  • Mantenha uma ou mais listas de tarefas, apropriadas ao contexto;
  • Revise de tempos em tempos para garantir que as coisas estão andando bem;
  • Tire da cabeça as preocupações por não estar fazendo algo e confie na sua lista de tareas. Isso reduz muito o nível de stress. Não mantenha nada na cabeça;
  • Quebre todas as tarefas em pequenas ações realizáveis. Exemplo: ao invés de “cuidar do seguro do carro”, adicionar a tarefa “ligar para o corretor e pedir uma cotação para o seguro do carro”. Significa que quando você estiver lendo a lista de tarefas, você vai saber na hora que só precisa pegar o telefone, não precisa gastar um momento a mais pensando, cada vez que ler a lista, sobre quais os próximos passos necessários para cada tarefa.

A principal lição do livro, eu diria, é a de perder a paranóia de estar esquecendo de coisas que você precisa fazer. Tenha uma lista de tarefas e confie nela. Só isso já deve ter evitado o surgimento de muitos cabelos brancos para mim.

Agora, se você, depois de adotar isso, não conseguir realizar tudo que você precisa nos prazos que precisa, então é provável que você simplesmente tenha mais coisas para fazer do que você tem capacidade, e nesse caso você precisa de ajuda de outras pessoas, ou precisa abrir mão mesmo.

5 thoughts on “TODO não é para jacu”

  1. Muito bom, André.
    Eu sou meio fissurado em organização pessoal e não conheço este livro. Vou lê-lo.
    Entre tantas outras coisas, também acho muito importante que a lista de tarefas esteja sempre à mão ou seja de facílimo acesso, pois, pelo menos no ambiente corporativo, as tarefas surgem a todo momento e, não colocá-las na lista de tarefas estraga tudo.
    Grande abraço.

  2. Ótimo o link da wired. A Wired mais uma vez escreveu algo em que eu estava pensando na hora.

    Eu preciso colocar o meu chapéu de papel alumínio.

  3. Pois é, Jones, esse é realmente um livro que eu posso recomendar sem medo nenhum.

    Eu acho que ter a lista à mão é fundamental. Por isso que eu acabo sempre voltando para o meu arquivão texto, que não existe programa especial nenhum, e eu ainda posso fazer buscas e anotações. Depois que você pega o hábito de manter essa lista, a vida fica bem mais simples.

    Eu queria era já conhecer esses truques uns anos atrás. Eu fico com a impressão de que era isso que deviam ter me ensinado no colégio ou na faculdade de engenharia ao invés da diferença entre significante e significado 🙂

    Abraço,
    André

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *